Pular para o conteúdo

Como Se Vestir Como Cafetão

    Como Se Vestir Como Cafetão 1

    Os proxenetas se vestem de forma extravagante por dois motivos: Estão anunciando seus serviços sem fazê-lo de forma explícita e estão ostentando o teu prestígio e riqueza. Ser um cafetão extravagante envolve várias coisas: – Ter coisas caras ou que se vejam bem.

    os proxenetas gostam muito das coisas caras e/ou de marca. Isso significa que se você poderá pagar, eles irão ter. Se não podem pagar por esse relógio Hermès ou esse cinto Louis Vuitton, irão confirmar de que cada coisa que tenham se encontre rosto ou de peculiaridade.

    • Dois Na Argentina
    • Crianças com menos de 11 anos: grátis
    • 2 Super Mario
    • 2012: That’s Why God Made the Radio
    • Higuaín: Notícias Vídeos Fotos

    Preferir tecidos exóticas e luxuosas. Os proxenetas estão no negócio de fornecer certos serviços, ainda que de modo indireto. Escolha tecidos muito suaves, no momento em que conseguires, como caxemira, seda, cetim, pele, rayon, etc. Escolhe cores brilhantes no momento em que puder, porém tenha em mente de que as cores que você use combinem. Não use várias cores contrastantes.

    Um cafetão poderá se vestir de um verde Mardi Grass sempre e no momento em que a maioria que traga posto seja desta mesma cor. Quando não domina o que utilizar, use algo atraente. Seja o homem que a gente se virar pra ver de perto no momento em que a vêem na rua, uma pessoa que chame a atenção e tenha um ar autoritário, só na maneira que viste. Aceita o estímulo, mesmo que isto signifique usar um lenço púrpura.

    Teria mais ou menos a sua idade.” Senti pena da indigente velha. “Olha, olha, vou te aconselhar a sua foto pra que a vejas. Eu tenho por aqui em carteira”, me alegou, com lágrimas nos olhos. Tirou uma imagem velha e enrugada da carteira e me ensinou.

    Ouço seus gritos, apesar de estar situada pela outra sala, são curtos, entretanto penetrantes, o suficiente para me causar calafrios cada vez que os evoca. O circo estava lotado, as gargalhadas ficaram atrás do palhaço que se afastou da pista central. Giro em direção aos camarins dos artistas, e viu ao retirado o domador, fazia dias que o rehuía. A sua ultima conversa foi muito dura, aquele homem não era excelente batia os animais, quase em tão alto grau como a tua miserável mulher. A ultima vez estava muito perto, e não pôde permanecer impassível, não era mais que um palhaço do circo, mas tinha coração.

    Desde em vista disso sabia que tinha um inimigo atroz. Eu olho para trás e acelero o passo e começou a andar mais depressa, tentando escapar sem saber pra onde. Caminhava entre os carroções girando para um lado ou outro indistintamente. Eu olho outra vez para trás, não o viu.Havia silêncio, os animais estavam calados, como se presagiaran qualquer coisa de falso. Retornada do serviço e sempre que cruzava o saguão de sua casa para obter a cancela, e entrar por fim em teu refúgio, como ele dizia, se sentiu, de repente, atônito por um leve miado. Procurou o animal, todavia ficou surpreso ao não encontrá-lo em porção nenhuma. Rapidamente cruzou a cancela, e a fechou com vivacidade.

    Na verdade, nada se acalmou. No dia seguinte, atravessou naquele espaço muito rapidamente; agora chegava tarde ao trabalho. A sua volta, contudo, não foi rápida; teu caminhar era pesado, como se seus pés estivessem lama, teu rosto mostrava-se tensa e suado, e sentia um medo que ele mesmo considerava ilógico.

    Marcações: